sábado, 21 de março de 2015

Dos escritos pontilhados

"Novembro passou em um pulo." (2014).



"Aquele sol com horário de entardecer adia a pelo do moço cacheado 
Havia dourados em lábios e mãos 
Respirava feliz, de olhos fechados
Como se a vida... ah essa vida
Infinita de raios solares para ser
Usados todos os dias."
"A sobra mira o papel em
Branco. E agora? A sombra
tem tinta, mas sem matéria.
O branco risca-se de cores:
pintados entre ossos, carnes
E pele. O risco de papel
Branco recebe sangue."


"O divertido da poesia
vem da graça de
brincar de palavras."



"O motor tem
barulho de vento
Rompe o silêncio
da sala exausta
Cheia de cadeiras
azuis."
"Nada mais triste que
ver cadeiras vazias
Mesmo aquelas postas à
venda."


"Por que o silêncio
Esbarra-se nos vidros?
Toma conta do lugar."


Os escritos acima são fragmentos soltos em dias de novembro, 2014. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário!